Trio é preso sob suspeita de participação na morte de professor da rede pública na Grande Belém

Ana Carolina Araújo Oliveira, Jailton Monteiro Correa e Leandro de Castro Araújo foram presos nesta terça-feira (18) suspeitos de participação na morte do professor Jean Cláudio Sampaio de Oliveira. O crime ocorreu em 25 de outubro de 2022, por volta das 7h, na BR-316, em Ananindeua. Os mandados de prisão de busca e apreensão foram cumpridos pela Delegacia de Homicídios Metropolitana, em conjunto com a Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Estado do Pará, respectivamente nas cidades de Ananindeua, Salinópolis e Castanhal.

Segundo as investigações da Polícia Civil, J​ean Cláudio dirigia para a escola onde trabalhava quando foi surpreendido por dois homens em uma motocicleta. O ocupante da garupa efetuou vários disparos, atingindo inclusive a cabeça da vítima, que perdeu o controle do veículo, invadiu a ciclofaixa e colidiu contra uma árvore em frente a uma empresa, morrendo no local.

Conforme a polícia, Ana Carolina chegou ao local acompanhada de sua empregada doméstica e se apresentou como companheira da vítima. Na ocasião, “Ana Carolina afirmou que Jean Cláudio era alcoólatra e tinha um temperamento explosivo, tentando sugerir que essa seria a motivação do crime”, diz o relatório.

As investigações, porém, revelaram que Ana Carolina e Jean Cláudio estavam separados há alguns meses, de acordo com a polícia. Além disso, apontam as investigações que “ela mantinha um relacionamento extraconjugal com Jailton Monteiro, policial militar do estado do Maranhão”, e tinha um amigo, Leandro de Castro, policial militar do estado do Pará, lotado na cidade de Castanhal, onde ele foi preso.

De acordo com a polícia, foi comprovado que Ana Carolina planejou e encomendou a morte de Jean Cláudio para “ficar com sua herança e evitar pagar dívidas” que tinha com ele, revela o relatório policial. Ainda conforme a polícia, Ana Carolina contou com a ajuda de ambos os policiais militares, e utilizou a confiança de sua empregada doméstica e seu motorista, para que mentissem em seus depoimentos protegendo os investigados, revelou a polícia.

Durante a operação, armas, documentos e equipamentos eletrônicos foram apreendidos. Os trabalhos policiais continuam com o objetivo de identificar outros coautores e partícipes do crime. Após os procedimentos legais, os presos foram encaminhados ao sistema penitenciário, onde permanecerão à disposição da justiça.

FONTE: O LIBERAL

IMAGEM: Reprodução

Compartilhe este artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *